FILHO E ACUSADO DE MATAR PAI A FACADA NA CIDADE DE RIACHÃO DAS NEVES.

 

Paulo Geovane da Silva, de 39 anos, conhecido popularmente por “Buchudo” foi atingido com um golpe de faca no peito do lado direito pelo filho menor de 17 anos, no interior de sua residência, por volta das 22h 00 de sábado (20), na Rua Antonio Santos, nas imediações do Ginásio de Esportes municipal.

Informações do fato

Ao conversar com nossa reportagem por telefone, o soldado De Souza, lotado na 86ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) contou que, Paulo Geovane estava sentado em uma cadeira, onde atendentes do SAMU o encontraram sem sinais de vida. A morte foi informada aos plantonistas do posto policial militar pelo irmão mais novo do suposto autor. A companheira de convívio dele estava aflita e confessou que seu filho havia ceifado a vida do pai, mas não foi questionada sobre a motivação do crime, porque se encontrava visivelmente embriagada.

A equipe da Polícia Militar ficou surpresa ao encontrar o confesso autor do ato infracional dormindo em seu quarto, como se nada tivesse acontecido. “Ele havia colocado o mosqueteiro na cama, estava deitado tranquilamente e não esboçou reação quando o abordamos e efetuamos a detenção”.

A Polícia Militar não possui informações de envolvimento da vítima e do infrator com drogas proibidas ou com o mundo do crime. Familiares comentam que, o menor até pouco tempo morava na zona rural, mas tinha sido levado pelo pai para morar com ele na cidade.

Ainda segundo o soldado De Souza, a guarnição foi noticiada pela vizinhança que, o casal bebia com o filho desde cedo e ouviram apenas os gritos da mulher, provavelmente na hora do assassinato.

O corpo de Buchudo seria sepultado no mesmo município, na comunidade de “Pedra Branca”, onde residem seus familiares, e local em que o mesmo morou desde a infância até a fase adulta.

O menor infrator foi conduzido e apresentado na central de flagrantes, na 11ª COORPIN, na Delegacia Territorial da cidade de Barreiras/BA, para adoção das medidas cabíveis.

 

 

 

 

Fonte/Alô Alô Salomão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *